Lula: “Marisa morreu triste por conta da canalhice que fizeram com ela”

da Carta Capital

No velório da mulher, o ex-presidente chorou: “O seu Lulinha paz e amor vai continuar lutando muito para defender sua honra e sua imagem”, disse

Velório Marisa Letícia
Multidão acompanhou o velório de Marisa Letícia

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva prometeu neste sábado 4 defender a sua imagem e a da ex-primeira-dama Marisa Letícia, em meio a acusações de corrupção levantadas pelas investigações da Operação Lava Jato. Na quadra do Sindicato dos Metalúrgicos do ABC, em São Bernardo do Campo (SP), onde foi realizado o velório de Marisa, Lula se emocionou ao lembrar da história de sua mulher, com quem esteve por 43 anos, e afirmou que não tem medo de ser preso.

“Marisa morreu triste, por conta da canalhice e da maldade do que fizeram com ela”, disse Lula. Sem citar a força-tarefa da Lava Jato ou o juiz Sergio Moro, responsável pela maior parte dos casos em que ele e Marisa são investigados, Lula disse que vai lutar para que “os facínoras tenham um dia a humildade de pedir desculpas“.

Em dezembro, Marisa Letícia se tornou ré, ao lado de Lula, em uma investigação da Lava Jato. Como tem feito desde o início das acusações, Lula reafirmou sua inocência. “Se alguém neste país tem medo de ser preso, este que está enterrando sua mulher hoje não tem”, afirmou o ex-presidente. “Tenho a consciência tranquila e não sou eu que tenho que provar que sou inocente. Eles que precisam provar que as mentiras que estão contando são verdadeiras”

Em sua última declaração, em meio às lágrimas, Lula falou diretamente com Marisa Letícia. “Companheira, descanse em paz. O seu Lulinha paz e amor vai continuar lutando muito para defender sua honra e sua imagem”, afirmou. Na sequência, o local do velório foi tomado pela comoção e por gritos de “Olê, olê, olá, Lula, Lula” e “Marisa, Marisa”.

Antes, Lula o simbolismo do Sindicato dos Metalúrgicos, local onde conheceu Marisa. “Aqui eu aprendi a falar, perdi o medo do microfone, aqui decidimos combater a ditadura, criamos o novo sindicalismo, pensamos em criar a CUT, criar o PT, e todas as greves que foram feitas”, disse.

Lula lembrou o passado humilde de Marisa, que começou a trabalhar aos 11 anos como empregada doméstica, e agradeceu o apoio dela em sua trajetória. “A Marisa sustentou a barra para que eu me transformasse no que me transformei”, disse Lula.

“Sou o resultado da consciência política dos trabalhadores brasileiros. Sou resultado das greves, mas também de uma menina que parecia frágil, mas que me deu a segurança que eu podia viajar pra apoiar candidatos, para apoiar greves, criar sindicatos, que ela seguraria a barra”.

Lula relembrou as histórias de nascimento de seus três filhos e contou que não acompanhou nenhum dos partos por conta dos compromissos políticos. “Nunca estive presente, por causa do PT, da CUT, das greves”, disse. “Às vezes sinto culpa, mas às vezes acho que é assim mesmo”.

O ex-presidente disse que pensou em nomear Marisa como ministra, mas que sempre desistiu da ideia. Ainda assim, afirmou ele, “ela tinha muito mais importância que os ministros”. “Ela sempre me dizia: Lula, não esqueça nunca de onde você veio e pra onde você vai voltar'”, afirmou.

Marisa (1950-2017)

De humilde família de sitiantes, que migraram da Itália para o Brasil, Marisa Letícia nasceu em 7 de abril de 1950 em São Bernardo do Campo, na Grande São Paulo. Aos nove anos, começou a trabalhar como babá na casa de um sobrinho do pintor Cândido Portinari.

Quatro anos mais tarde, tornou-se operária de uma fábrica de chocolates. Casou-se pela primeira vez com o motorista Marcos Cláudio da Silva, com quem teve um filho. O garoto não chegou a conhecer o pai, assassinado enquanto dirigia o táxi da família. A jovem mãe perdeu o marido enquanto estava no quarto mês de gestação.

Marisa conheceu Lula em 1973, ao ir para o Sindicato dos Metalúrgicos de São Bernardo do Campo carimbar documentos da pensão que recebia. O ex-presidente costuma contar que, quando soube que a esbelta mulher de 23 anos era viúva, fez questão de deixar cair um documento que mostrava que ele também era viúvo. O episódio serviu de justificativa para iniciar a conversa, que não tardou a evoluir para um longevo relacionamento.

Os frutos da união de mais de 40 anos são os três filhos do casal: Fábio, Sandro e Luís Cláudio. O ex-presidente também adotou o primeiro filho de Marisa Letícia, Marcos Lula, que tinha apenas dois anos quando o então líder sindical a conheceu.

Inicialmente avessa à política, Marisa preocupava-se com a segurança de Lula quando eclodiram as greves do ABC Paulista. Em 1980, chegou a liderar uma passeata das mulheres em apoio aos sindicalistas presos no Departamento de Ordem Política e Social (Dops), que integrava o aparato repressivo da ditadura. Nesse mesmo ano, participou de um curso de Introdução à Política Brasileira, promovido pela Pastoral Operária de São Bernardo, e filou-se ao recém-criado Partido dos Trabalhadores.

Dedicada à família, Marisa teve uma atuação discreta nas primeiras disputas eleitorais de Lula. Em 2002, com os filhos já adultos, pôde se dedicar com mais afinco à campanha presidencial do marido. Em 1º de janeiro de 2003, tornou-se primeira-dama do Brasil.

Nos últimos meses, Marisa vinha sofrendo ao lado de Lula a pressão das investigações da Operação Lava Jato. Em dezembro, também ao lado do ex-presidente, foi convertida em ré pelo juiz federal Sergio Moro, sob a acusação de lavagem de dinheiro. De acordo com a denúncia, o casal adquiriu um imóvel vizinho ao apartamento do ex-presidente, em São Bernardo, com recursos da empreiteira Odebrecht. A acusação é negada com veemência pela defesa de Lula, que diz que imóvel é alugado.

“A pressão e a tensão fazem as pessoas chegarem ao ponto que a Marisa chegou. Mas isso não vai fazer eu ficar chorando pelos cantos. Vai ficar apenas batendo na minha cabeça, como mais uma razão para que a luta continue”, desabafou Lula na segunda-feira 30, durante um encontro com representantes do Movimento dos Atingidos por Barragens. Foi a primeira aparição pública do ex-presidente após a mulher sofrer o AVC.

No adeus a Marisa Letícia, pesar e gratidão

da Carta Capital

por Ingrid Matuoka

Amigos e militantes se despediram emocionados da mulher que acompanhou Lula por 43 anos e que, com ele, viu o País mudar

Velório
No mesmo lugar onde se conheceram, se despediram

Marisa Letícia, 66 anos, se despediu de amigos e família vestida de vermelho e com um broche do PT no peito. O velório da ex-primeira-dama foi realizado no Sindicato dos Metalúrgicos, em São Bernardo do Campo, na Grande São Paulo, neste sábado 4. Aos pés de Marisa Letícia, que costurou a primeira bandeira do Partido dos Trabalhadores, estavam estendidas as bandeiras do PT e do Brasil, além de flores trazidas em mãos pelo povo.

A escolha do lugar não foi trivial. O sindicato é palco do nascimento do Partido dos Trabalhadores e da relação de 43 anos de Lula e Marisa. Neste sábado, teve as paredes cobertas por mais de cem coroas de flores enviadas por políticos, familiares, amigos, sindicalistas, entre outros. A mais especial, enviada pelo próprio Lula, deixava transparecer algo da intimidade do casal: “Minha galega: agora o céu ganha a estrela que iluminou minha vida”. Uma foto do casal do tamanho de duas telas de cinema decorava o fundo.

O ex-presidente, vestido de preto, recebeu a todos com abraços e beijos. As pessoas diziam palavras de carinho e gratidão e, em seguida, dirigiam-se ao caixão aberto de Marisa. Alguns só olhavam de longe por alguns segundos, outros se aproximavam e punham a mão sobre a dela. Em apenas cinco minutos, cerca de 80 pessoas repetiram o mesmo gesto.

Lula, que permaneceu ao lado do caixão das 10 horas da manhã até pouco depois do meio-dia, recebeu enquanto pode parte dos 20 mil que foram prestar solidariedade, segundo estimativa do sindicato. Depois, retirou-se para descansar. Até às 15 horas, milhares de crianças, adultos e idosos continuaram a homenagear Marisa Letícia, e coroas de flores não pararam de chegar.

Victor Henrique Barbosa, de 21 anos, veio de Ribeirão Pires, para “dar uma força ao companheiro Lula e à militância”. “Estar juntos e as nossas orações são o mínimo que a gente pode oferecer nesse momento difícil”, afirma.

“Fui militante por muito tempo”, diz Solange Luz, de 40 anos. “Acompanhei a vida toda deles, e sempre digo que o Brasil nunca mais terá um presidente bom como Lula. E Marisa esteve esse tempo todo ao lado dele”.

O deputado federal Vicentinho (PT-SP), líder histórico do movimento sindical, lembrou a trajetória de Marisa. “A Marisa representou muito na nossa luta, como por exemplo na greve de 1980, em que ela organizou as mulheres para serem solidárias ao movimento”, disse.

“E ela nos representa agora, conseguindo juntar tanta gente aqui. Encontrei companheiros das greves de 1980, 1979, que estavam em seus cantos e agora se reanimam para a luta”, afirmou. “Até nisso a Marisa deixa um legado”.

Se por um lado o sentimento era de gratidão e pesar, em uma área separada por grades, havia algo a mais: a vontade de resistir. Políticos, sindicalistas, militantes do PT e outros “companheiros de luta”, reunidos, conversavam. “Temos que parar essa reforma da Previdência”, “não dá pra deixar o país na mão do Temer”, “essa onda conservadora tem que virar marolinha”. Também ecoavam análises sobre o momento político do Brasil e do que precisa ser feito para fortalecer o setor progressista.

No fim da manhã, Dilma Rousseff compareceu ao velório. Abraçou Lula e foi abraçada por uma multidão. Também prestaram solidariedade diversas figuras públicas, como os governadores do Rio de Janeiro e de Minas Gerais, Luiz Fernando Pezão e Fernando Pimentel, o senador Lindbergh Farias (PT-RJ), o vereador Eduardo Suplicy (PT-SP), o ex-prefeito Fernando Haddad (PT-SP), e ex-ministros da gestão de Lula e de Dilma.

Perto do fim da cerimônia, um vídeo em homenagem à ex-primeira-dama foi exibido, com depoimentos de mulheres ao lado de quem trabalhou, e do próprio Lula.

Dom Angélico Sândalo Bernardino, bispo emérito de Blumenau (SC), presidiu a cerimônia ecumênica e deu contornos políticos a sua fala. Dom Angélico afirmou que Lula está sendo “perseguido” sem direito de defesa e criticou as reformas trabalhista e previdenciária do governo de Michel Temer. “Atentem para que essas reformas sejam contra os pobres e os assalariados.”

Lula
Imensamente aplaudido, Lula encerrou o velório de Marisa (Foto: Ricardo Stuckert/Instituto Lula)

Lula encerrou a cerimônia com um discurso de 40 minutos, em que relembrou histórias de seu casamento e decretou, emocionado: “Eu vou continuar agradecendo à Marisa, até o dia que eu não puder mais agradecer, o dia em que eu morrer. Espero encontrar com ela, com esse mesmo vestido que eu escolhi para colocar nela, vermelho, para mostrar que a gente não tinha medo de vermelho quando era vivo, e não tinha medo de vermelho quando morre”.

O público aplaudia a cada oportunidade. Após a fala de Lula, a cerimônia foi fechada para os familiares. Muitos dos presentes, com olhos marejados, começaram a dirigir-se para a saída. Debora Drummond da Silva, 42 anos, que veio com a filha no colo, diz que a partida de Marisa é uma perda muito grande. “Ela era uma mulher guerreira e batalhadora”.

Do lado de fora, uma multidão aguardava por Lula e o corpo de Marisa Letícia. Um grito de “Globo golpista” foi rapidamente abafado por um coro de “respeito” e “não é o momento”.

Na porta de um self-service logo ao lado do sindicato, uma mulher usando avental e touca observa a cena aflita. “Tô triste, não consegui ver ela, tô presa aqui”, diz Maria de Fátima Rodrigues, 53 anos, sem dar sequer um passo para fora do restaurante.

Ela conta que esteve recentemente em sua terra natal, no Piauí, onde passou 31 dias e pode constatar uma melhora na vida de seus familiares e amigos. “Eles [Lula e Marisa] foram muito importantes pra gente, pra nós, nordestinos. Lá na minha terra não tem mais gente passando fome, têm água, luz, pão na mesa, carro e casa, uma televisão boa”, diz ela.

“Eu vi isso. Para a gente eles foram muito importantes. Para os paulistas, não. Eu entendo que aqui não tem muita coisa pra fazer, que não mudou muito, mas vai no Nordeste, dá uma volta e conversa com as pessoas”, aconselha ela antes de voltar apressada para a cozinha do restaurante.

Do sindicato, o corpo de Marisa Letícia foi levado para o cemitério Jardim da Colina, em São Bernardo do Campo. Lá, foi cremado com a presença somente da família.

Não há de ser inutilmente

do VioMundo

por Leandro Fortes

Captura de Tela 2017-02-02 às 11.47.28

A morte de Dona Marisa Letícia é o triunfo físico da narrativa de ódio reinaugurada pela direita brasileira, a partir da vitória eleitoral de Dilma Rousseff, em 2014, contra as forças reacionárias capitaneadas pela candidatura de Aécio Neves, do PSDB.

Em sua insana odisseia pela retomada do poder, ainda quando o TSE contabilizava os últimos votos das eleições presidenciais, Aécio e sua turma de mascarados se agregaram, não sem uma sinalização evidente, aos primeiros movimentos da Operação Lava Jato e com ela partiram, sob os auspícios do juiz Sergio Moro, para a guerra de tudo ou nada que se seguiu.

Foi esse conjunto de circunstâncias, tocado pela moenda de antipetismo e ódio de classe azeitada diuturnamente pela mídia, que minou a saúde de Dona Marisa, não sem antes submetê-la ao tormento da perseguição, do constrangimento, da humilhação pública, da invasão cruel e desumana de sua privacidade.

A perseguição ignóbil ao marido, Luiz Inácio Lula da Silva, aliada à permanente divulgação de boatos sobre os filhos, certamente contribuíram para que Dona Letícia, a discreta primeira-dama nascida na luta e na construção dos Partidos dos Trabalhadores, tivesse a saúde atingida.

Para atingir Lula, a quem não tiveram coragem de prender, o esgoto da mídia e seus serviçais da política envenenaram a nação com ódio, rancor e ressentimento, nem que para isso fosse preciso atingir a vida de toda a família do ex-presidente.

Nem que para isso fosse preciso levar à morte uma mulher digna, honesta e dedicada aos seus e ao País.

Não sem antes vazar as imagens de sua tomografia cerebral, como um troféu grotesco de certo jornalismo abjeto oferecido às hienas que dele se alimentam.

Todos sabemos os nomes, os cargos, as redações e as togas de cada um dos responsáveis pela morte de Dona Marisa.

Na hora certa, daremos o troco.

Marisa Letícia: eterna companheira

da Rede Brasil Atual

por Flávia Martinelli, do Jornalistas Livres

Lições de amor da primeira-dama que, em 43 anos de casamento, lutou e venceu ao lado de Lula

marisa leticia.jpeg
Marisa esteve ao lado de Lula nas greves, nas lutas, na criação do PT, nas viagens das caravanas da cidadania, nas campanhas eleitorais

Foi num palácio. O Palácio da Alvorada. E era domingo festivo: Dia das Mães, 11 de maio de 2003, ano do primeiro mandato do presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Nos jardins, acontecia um churrasco. Diante da corte de fotógrafos, jornalistas  e curiosos, Lula ajoelha-se aos pés de sua mulher. A primeira-dama, então, pousa os pés sobre a perna do marido. E ele amarra o cadarço solto do tênis dela.

No dia seguinte, UAU, a foto sai estampada na capa dos principais jornais e revistas do país. Mais uma vez, o Brasil inteiro se derretia com a demonstração explícita de afeto do presidente por sua companheira, Marisa Letícia Lula da Silva. A vida de dona Marisa, no entanto, nunca foi de Cinderela. Nem Marisa sonhou ser princesa. Lula sempre a tratou como rainha, fato. Mas isso nada tem a ver com os jardins palacianos do flagra em Brasília. A majestade de dona Marisa Letícia já vinha de muito, muito antes do cargo de primeira-dama.

Casada há 43 anos, Marisa já foi descrita pelo marido como uma “grande mãe italiana”. Ela esteve ao lado de Lula nas greves, nas lutas, na criação do PT, nas viagens das caravanas da cidadania, nas campanhas eleitorais. Mas preferiu ficar longe dos holofotes. “Fora de casa Lula é o centro das atenções. No campo doméstico, Marisa é soberana. Ela é a âncora da família”, contou amiga dos tempos de sindicalismo Miriam Belchior, que foi ex-assessora especial da Presidência. Mulher de opiniões declaradas, sempre foi discreta, tímida e, segundo a amiga, optou por esse papel.

O temperamento forte sempre foi da porta para dentro, onde botava “os pingos nos is”. Em público foi reservada. Gentil, simpática e afetuosa com os amigos, tratava com indiferença gente que julgava interesseira. Também nunca foi de lamentar, mas de resolver os problemas. Em sua primeira entrevista como primeira-dama, à revista Criativa em 2003, respondeu sobre o segredo de seu casamento: “quando somos jovens imaginamos que o mundo tem que ser cor-de-rosa, só que ele não é. Isso muitas vezes é um choque. O amadurecimento proporciona isso, compreensão das coisas, mais paciência. Nós (Lula e ela) aproveitamos o nosso tempo juntos para ficar bem, felizes.”

lula marisa.jpg
Casada há 43 anos, Marisa já foi descrita pelo marido como uma ‘grande mãe italiana’

Pés no chão de terra batida

Neta de italianos, dona Marisa nasceu num sitio em São Bernardo do Campo, SP, onde havia plantações de batata e milho e criações de galinhas e porcos. A casa de dois quartos onde viveu até o sete anos era de pau-a-pique e chão de terra batida. Não tinha luz elétrica. Nem água encanada, só poço. O colchão onde dormia era de palha. Marisa foi a penúltima filha dentre 12 irmãos. Sua mãe, Regina Rocco Casa, era famosa benzedeira: sabia tirar quebranto, curava menino com bucho virado. O pai hortelão, Antônio João Casa, adorava plantas. Marisa puxou isso dele.

A primeira-dama tinha “mão boa” para lidar com mudas. Quando levou uma jabuticabeira no vaso para dentro do apartamento em São Bernardo, Lula achou que a planta jamais ia vingar. “Eu fiquei, como muitos, todo santo dia resmungando e dizendo que era impossível”, disse o marido num discurso em que fez parábola da planta de Marisa. Lula disse que o Brasil poderia crescer em pleno aperto econômico como a jabuticabeira que, contrariando todas as previsões, sua mulher fez vicejar. “Como ela acreditou mais, irrigou mais, cuidou mais do que eu, o pezinho de jabuticaba dá frutos quatro, cinco vezes por ano, coisa que esse conselho [Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social] pode imitar se quiser”, disse Lula, quando criou órgão do governo em fevereiro de 2003.

Marisa sempre cultivou legumes e verduras. A ponto de não precisar comprá-los no mercado por anos. Quando virou primeira-dama incrementava a horta atrás do Alvorada. Orgulhava-se de dizer que os canteiros estavam com mais variedade. Também povoou o lago do Palácio com peixes e patos quando se mudou para Brasília. A ex-primeira-dama gostava de bichos. Em plena correria da campanha do primeiro mandato de Lula, levou para o apartamento um cabritinho que a mãe rejeitou e o alimentou a mamadeira. Instinto maternal exercido desde criança. Quando ainda era menina de nove anos, em vez de bonecas, Maria foi embalar três sobrinhas do pintor Cândido Portinari. De babá, virou operária aos 13 anos. Embalou, então, bombons Alpino na fábrica de chocolates Dulcora. Teve de parar de estudar na sétima série.

lula fidel marisa.jpg
Lula, Fidel e Dona Marisa, em 1989, durante encontro em São Paulo

Encontro de fortes

Moça bonita, loura de cachos até a cintura, aos 19 anos, Marisa saiu da casa dos pais para se casar com seu primeiro namorado, Marcos, um motorista de caminhão. Ele carregava areia para construções durante o dia e  de noite, saía com o táxi do pai, um Fusca, para ganhar um extra. Queria comprar a casa própria. Seis meses depois do casamento, Marcos foi morto por bandidos num assalto ao táxi. Viúva, a única herança de Marisa foi o filho de quatro meses na barriga. Ela morou no primeiro ano de viuvez com o sogro, depois foi para a casa de sua mãe e trabalhou como inspetora de alunos num colégio público. Dona Marília, a primeira sogra que sempre foi amiga do peito de Marisa, ajudou a nora criar o neto de sangue, Marcos Claudio, e os outros três que a primeira-dama teve com Lula.

Curiosidade dos destino: o sogro do primeiro casamento de Marisa, seu Cândido, foi quem primeiro falou de Marisa para Lula. Em 1973, Luiz Inácio tinha o apelido de “Baiano”. Novato no sindicato dos metalúrgicos, sofria o luto por sua primeira mulher, Maria de Lourdes, que perdeu, com o filho, na sala de parto havia dois anos. Vez ou outra, Lula fazia uma corrida no taxi Fusquinha de seu Cândido porque a bandeirada era mais barata do que a dos carros de quatro portas. Lula contou, em entrevista à escritora Denise Paraná no livro “O filho do Brasil”, que seu Cândido, sempre que falava da morte do filho, dizia que a nora Marisa era muito bonita. “Foi muita coincidência. O tempo passou. Quando um belo dia estou no sindicato chega essa tal de dona Marisa”, disse Lula.

No encontro entre os dois viúvos não houve suspiros de contos de fada. Marisa foi ao sindicato buscar um carimbo para retirar sua pensão. Lula deixou cair sua carteirinha de identidade de sindicalista para mostrar que também era viúvo. Ele inventou uma firula qualquer na documentação dela para ter desculpa para pedir o telefone de Marisa. Ela nem atendia as ligações. Mas o ex-operário, que venceu a primeira eleição para presidente na quarta tentativa, é insistente. Um dia estacionou o carrinho TL na porta da casa da viúva loura e botou o então namorado de Marisa para correr, dizendo que precisava falar um assunto sério com ela. Lula acabou conquistando a simpatia da mãe de Marisa, Dona Regina, a benzedeira, e depois o coração da ex-primeira-dama. Em sete meses se casaram.

marisa lula.jpg
Marisa e Lula, durante a posse da presidência em 2003

Companheira

Um ano depois do casamento, Lula já era presidente do Sindicato dos Metalúrgicos de São Bernardo. Naquele tempo, Marisa não entendia nada sobre sindicalismo, greves, ditadura, passeatas, piquetes… Carregava no colo o recém-nascido Fábio Luiz e tinha na barra da saia o primogênito Marcos Cláudio, que Lula adotou como seu. Um dia, cansada do sumiços de Lula – que saía de casa de madrugada para fazer piquete em porta de fábrica–, Marisa decidiu entrar no curso de política do religioso militante de esquerda Frei Betto. Aos poucos, ela passou a entender a luta dos sindicalistas e acabou por influenciar outras mulheres de metalúrgicos.

Certamente não foi fácil. Lula nunca pôde acompanhar a mulher na maternidade no nascimento dos filhos, por exemplo. Marisa foi mãe e pai dos meninos. Reunião de escola, festinha, finanças da casa, crediário… Tudo era ela quem cuidava. E sem empregada. Joana, considerada uma “irmã de criação” de Marisa, e a ex-sogra, dona Marília, a acudiam em situações especiais.

Em 1980, os militares tomaram o sindicato e a sala da casa de dona Marisa virou a nova sede dos metalúrgicos. E ela também assumiu posto de secretária. Nesse mesmo ano, Lula foi preso. Acusado de incitar uma greve ilegal, foi enquadrado na Lei de Segurança Nacional, principal instrumento de repressão do regime militar. “Marisa organizou toda a passeata com as mulheres de metalúrgicos encarcerados. E levou as crianças no meio daquela multidão “, recorda amiga Miriam Belchior, que também participou da manifestação. “Tinha polícia para tudo quanto é lado”, Marisa disse em entrevistas. Ela levava os filhos Marcos, Fábio e Sandro para visitar o pai na cadeia. O caçula, Luiz Cláudio, ainda não tinha nascido.

Sempre junto de Lula, dona Marisa fundou o partido dos trabalhadores também em sua sala. “Marisa entendia a missão do Lula. Ela só pegava no pé do marido aos domingos”, disse Luiz Marinho, amigo do casal, ex-presidente do Sindicato dos Metalúrgicos do ABC e ministro da Previdência no governo Lula. Para ela, domingo era sagrado, era o dia da família. E pouco importava se o almoço familiar acontecesse no apartamento de São Bernardo ou nos salões projetados pelo arquiteto Oscar Niemeyer. A cena dominical do dia das Mães em que Lula se ajoelhou aos seus pés não teve nada de excepcional como alardeou a imprensa na época. Os pequeninos gestos de carinho de Lula à sua mulher eram rotineiros. Em uma entrevista, Marisa disse: “Em um casamento o amor é muito importante. Mas sonhar juntos é fundamental”. Nos sonhos de dona Marisa, estávamos todos incluídos.