Secretária das Mulheres de Temer faz culto evangélico em gabinete

da Carta Capital

por Débora Melo e Renan Truffi

Rodas de oração na sede do órgão, com a participação de Fátima Pelaes, têm constrangido funcionários

Culto
A secretária Fátima Pelaes (primeira à esquerda), durante roda de oração em seu gabinete

A secretária Especial de Políticas para as Mulheres, Fátima Pelaes, tem realizado cultos evangélicos na sede do órgão em Brasília, o que tem constrangido profissionais da pasta.

Uma foto enviada à reportagem de CartaCapital mostra a secretária e funcionárias de sua equipe em um momento de oração dentro do gabinete, acompanhadas de um homem ao violão.

De acordo com uma fonte que não quis se identificar, subordinadas diretas de Pelaes têm aproveitado eventos de confraternização para fazer rodas de oração com os funcionários. “A equipe que assumiu chegou, digamos, com essa mania. Isso tem causado mal-estar”, disse a fonte. “Quem já estava na secretaria se surpreendeu, porque isso nunca fez parte da lógica dali.”

O Estado brasileiro é laico, e a Igreja não pode interferir no Estado. Além disso, o artigo 5º da Constituição Federal define que “é inviolável a liberdade de consciência e de crença”.

A secretária tomou posse em junho de 2016, ainda no governo interino de Michel Temer. O nome de Pelaes, que é presidenta do PMDB Mulher, foi indicado a Temer por deputadas do Partido Republicano Brasileiro (PRB), sigla ligada a Edir Macedo e à Igreja Universal do Reino de Deus.

A escolha do governo para a pasta das Mulheres foi fortemente criticada por movimentos feministas. Socióloga, Pelaes foi deputada federal pelo PMDB do Amapá e chegou a defender a legalização do aborto durante sua trajetória no Congresso, mas mudou radicalmente de opinião a partir de 2002, quando sobreviveu a um naufrágio no Rio Amazonas.

Após uma “busca por Deus”, Pelaes decidiu se converter à religião evangélica. Ela foi presidente da Frente Parlamentar Evangélica e passou a militar pelo direito à vida “desde a concepção”.

Em 2010, a então deputada fez um discurso em defesa da aprovação do Estatuto do Nascituro, projeto de lei que dá direitos ao feto e dificulta ainda mais o acesso ao aborto legal, mesmo em casos de estupro. Na ocasião, Pelaes revelou que nasceu de um estupro que sua mãe sofreu na prisão.

“Eu já estive também em alguns momentos, nesta comissão, defendendo [o aborto], dizendo que toda mulher tem direito, que a vida não começa na concepção. Mas eu precisava ser curada, porque eu estava com trauma. Eu não conseguia falar disso”, disse em uma comissão.

O episódio foi resgatado com a nomeação de Pelaes para a pasta das Mulheres e, após repercussão negativa, a secretária emitiu uma nota na qual recuava de suas posições. “A mulher vítima de estupro que optar pela interrupção da gravidez deve ter total apoio do Estado, direito hoje já garantido por lei”, dizia o texto.

A gafe mais recente da secretária ocorreu neste Dia Internacional da Mulher. Ao defender Temer de suas declarações machistas, Pelaes foi mais uma vez alvo de críticas de movimentos que lutam pelos direitos das mulheres.

Em um discurso infeliz, o peemedebista afirmou que “seguramente” cabe à mulher cuidar da casa e da formação dos filhos, palavras que ganharam as redes e correram o mundo.

Naquele mesmo dia, em entrevista no Palácio do Planalto, Pelaes minimizou as declarações e disse que se trata de uma realidade. “Acho que estamos falando do que a mulher ainda vive hoje”, afirmou.

CartaCapital tentou contato com a Secretaria de Políticas para as Mulheres, mas não localizou os responsáveis pela comunicação do órgão. O canal segue aberto, caso a pasta queira comentar a reportagem.

A verdade sobre o financiamento dos estádios

 

Da Página do PT Brasil

Zeca Espora
Muito se fala sobre Copa no Facebook, pra variar, muito achismo. Facebook e os achismos.

Na intenção de ajudar a galera a ter argumentos melhores, inclusive para serem levados mais a sério, vai algumas informações da Copa/14. Assim você não paga mico com os amigos do Facebook e fala melhor sobre o assunto.

O BNDES criou um fundo ProArena para a Copa de 2014 em que EMPRESTARIA dinheiro para a construção de estádios.

BNDES pra quem não sabe, é um banco federal estatal que empresta dinheiro para empresários ou empreendedores desenvolverem suas empresas no país com crédito em bem melhores condições que o mercado oferece. A idéia do Estado com o BNDES é promover o desenvolvimento e a geração de empregos. Porém, é um banco como outro qualquer que não doa dinheiro, EMPRESTA. Repetindo: EMPRESTA. Os juros são baixos, as condições são boas, mas tem que pagar.

No caso da Copa o limite máximo do EMPRÉSTIMO era de R$ 400 milhões. 36 meses de carência. Com remuneração básica do BNDES de 0,9% a.a + 4,18% juros a.a + taxa de intermediação financeira 0,5% a.a = 5,58% a.a total. QUALQUER UM QUE QUISESSE CONSTRUIR SEU ESTÁDIO ERA SÓ IR NO BNDES PRA VER SE O CRÉDITO ERA APROVADO.

A prova disso foram os clubes como Palmeiras e Grêmio que aproveitaram a oportunidade e construiram seus estádios, mesmo que a Copa não utilize esses estádios, o BNDES emprestou.

Internacional, Atlético-PR e Corinthians seguiram o mesmo caminho, porém os estádios destes serão utilizados na Copa.

Cada clube pegou uma quantia emprestada no BNDES e fez sua obra. São estádios privados com algum incentivo municipal ou estadual.

Sobram então 9 estádios dos 12 para a Copa de 2014:

Maracanã – Rio de Janeiro (RJ)
Dinheiro federal investido: R$ 0,00
Empréstimo do BNDES: R$ 400 milhões
Custos restantes do estádio pagos pelo Estado do RJ
Será privatizado

Mineirão – Belo Horizonte (MG)
Dinheiro federal: R$ 0,00
Empréstimo do BNDES: R$ 400 milhões
Custos restantes do estádio pagos pelo Estado de MG
PPP – A concessionaria bancou a obra, mas o estado de MG repassa mensalmente um dinheiro financiado por 25 anos, em caso de lucros exorbitantes o estado se vê livre de pagar a obra. Negócio de jênio. Como o Atlético não joga no estádio, o Estado de Minas se fudeu. O povo mineiro se fudeu.

Mané Garrincha – Brasília (DF)
Dinheiro federal: R$ 0,00
Empréstimo do BNDES: R$ 0,00
Custos da obra pagos com venda de terrenos do Distrito Federal (Terracap) – Estádio do governo do Distrito Federal
Será privatizado após a Copa

Arena Pantanal – Cuiabá (MT)
Dinheiro federal: R$ 0,00
Empréstimo do BNDES: R$ 393 milhões
Custos adicionais do governo do Mato Grosso. Estádio com parte das arquibancadas móveis que serão retiradas após a Copa.
Espaço será privatizado

Castelão – Fortaleza (CE)
Dinheiro federal: R$ 0,00
Empréstimo do BNDES: R$ 351,5 milhões
Custos adicionais do governo do Ceará. Estádio com arquibancadas modulares, após a Copa o complexo deverá abrigar restaurantes, museus, salas de convenções, centros culturais e estabelecimentos comerciais.
Será PPP

Arena Amazônia – Manaus (AM)
Dinheiro federal: R$ 0,00
Empréstimo do BNDES: R$ 400 milhões
Custos adicionais do Estado do Amazonas em parceria com a Andrade Gutierrez.
PPP

Arena Dunas – Natal (RN)
Dinheiro federal: R$ 0,00
Empréstimo do BNDES: R$ 396,5 milhões
Custos adicionais do Estado do Rio Grande do Norte. O espaço irá funcionar também como centro de negócios, lazer e cultura, recebendo desde feiras de negócios e congressos até eventos como festivais de músicas e o Carnatal.
PPP

Arena Pernambuco – Recife (PE)
Dinheiro federal: R$ 0,00
Empréstimo do BNDES: R$ 280 milhões
Sociedade de Propósito Específico (SPE) Arena das Dunas Concessão e Eventos S/A (ADCE), controlada pelo grupo OAS.
Após 20 anos a S/A repassará o estádio ao Estado de Pernambuco

Arena Fonte Nova – Salvador (BA)
Dinheiro federal: R$ 0,00
Empréstimo do BNDES: R$ 323,6 milhões
Custos pagos pelo governo da Bahia e um consórcio de empresas privadas. Curiosidade: A Itaipava comprou o nome do estádio por R$ 100 milhões.
PPP

Empréstimos do BNDES para estádios privados:
Beira Rio: R$ 275 milhões
Arena da Baixada: R$ 131 milhões
Itaquerão: R$ 400 milhões

DINHEIRO FEDERAL INVESTIDO EM ESTÁDIOS: R$ 0,00
EMPRÉSTIMOS TOTAIS DO BNDES: R$ 3,75 bilhões de reais

CONCLUINDO:

01 – Existe um vídeo de um cara do SBT reclamando dos custos do Mané Garrincha, que seria dinheiro dele. Caso ele não seja cidadão do Distrito Federal, não tem nenhum dinheiro dele na obra. Portanto, se compartilhar o vídeo desse sujeito, saiba que você que não é cidadão do Distrito Federal, não tem dinheiro na obra.

02 – Os estados que optaram por PPP após a Copa, na minha opinião optaram pelo pior negócio. Inclui Minas Gerais, do presidenciável, Aécio Neves. O estádio sem o Atlético-MG dá prejuízo, com isso o Estado de Minas Gerais, ou seja, os mineiros, pagarão a quase totalidade da obra.

03 – Muito aparece cartazes em que os custos da Copa são 30 bilhões. ATENÇÃO: Esses custos inclui os custos das empresas privadas, como construções de hotel, empresas de telecomunicações privadas e etc. Nesses custos tem também os custos de mobilidade e investimentos em transporte público nas cidades sede e que serão utilizados pela população após a Copa.

04 – Muito se fala dos custos da Copa no Brasil ser o triplo das últimas copas. Apesar do Brasil ter praticamente partido do zero na questão da infraestrutura, isso é uma mentira. Brasil está gastando um pouco mais que a Alemanha gastou. Vale lembrar que Alemanha já possuía infraestrutura por ser país de 1o mundo.

05 – Muito se fala pra gastar dinheiro dos estádio em Educação e Saúde. A Educação custa 140 bilhões por ano, a saúde quase 200 bilhões por ano. O dinheiro da Copa não resolveria nenhuma das duas questões.

Se leu até aqui, parabéns, agora vê se xinga as pessoas certas. Abraço