Perdemos a Mercedes!

Nesta semana uma notícia que não gostaríamos de ouvir, foi transformada em realidade: a nova fábrica de carros da Mercedes Benz do Brasil não será em Salto, mas em Iracemápolis.

Cerca de 70 dias atrás juntamente com o prefeito Juvenil, estive em São Bernardo do Campo para conhecermos o interesse da Mercedes em instalar uma nova fábrica no Brasil, impulsionada pelas exigências de nacionalização dos carros para poder vender em mercado brasileiro. E a posição era muito clara: não tinham como ampliar em SBC por conta dos altos valores e da dificuldade dos terrenos lá disponíveis. Então, a estratégia da empresa foi a de encontrar uma cidade não muito distante do maior centro consumidor do país (SP), mas que lhes desse um valor de terreno menor e todas as condições de logística necessárias. Por ser uma fábrica que terá no seu início somente a montagem dos carros (o chamado CKD), ela precisaria estar o mais próximo possível do porto de Santos e dos aeroportos de carga (Viracopos principalmente). Além de tudo isso, um sindicato que tivesse alinhamento com o do ABC para a manutenção das políticas com seu pessoal.

Imediatamente o prefeito Juvenil iniciou as tratativas e várias áreas foram detectadas, todas com frente para rodovias que acessam rapidamente os caminhos para Santos, via RodoAnel. A empresa esteve em Salto inúmeras vezes acompanhada pela secretária Eliana, verificando as áreas e discutindo outros benefícios. Tive a oportunidade de acompanhar uma dessas visitas e assustei-me de imediato com o valor pretendido pelos proprietários de terrenos: a oscilação era de $ 50,00/m2 até $ 200,00/m2. Ai, o primeiro problema, já que sabíamos que outras cidades disputavam o mesmo interesse e suas terras eram muito mais baratas.

No seu papel de trazer para a cidade esse grande investimento, o prefeito Juvenil encaminhou à Câmara Municipal um novo projeto de lei para incentivo à grandes investimentos, com os limites que são possíveis sem comprometer as receitas do município. A lei foi aprovada em tempo recorde pelos vereadores, que também se engajaram nessa tentativa.

A escolha da área pela Mercedes aqui em Salto caiu em um local onde vários eram os proprietários. A secretária Eliana e o prefeito Juvenil começaram então a negociar com cada um deles os valores dos terrenos para serem vendidos. Pasmem, mas na mesma localidade os valores passaram a ser extremamente discrepantes: uns se comprometeram a vender por $ 40,00/m2, outros por $ 70,00/m2. E um deles chegou a pedir $ 200,00/m2, já que tinha ali um alto “valor sentimental”. Essa discrepância toda em uma área de 1.000.000 de m2, todas as glebas vizinhas. A média dos valores ficou em $ 60,00/m2.

Enquanto isso, Iracemápolis oferecia o terreno a $ 5,00/m2!!!

Por mais que a logística seja importante para a empresa (e será), uma diferença inicial de $ 55 milhões no investimento paga qualquer necessidade de adaptação nesse quesito. Até porque essa logística será feita por terceiros que terão necessariamente de negociar com a Mercedes. E negociar com a Mercedes não é para qualquer um.

Triste conclusão chegamos: perdemos esse belo investimento por conta da gana dos proprietários de terrenos de nossa cidade. Não existiu nenhuma preocupação com o que isso representaria para a comunidade saltense. O que orientou as negociações foi a gana pelo lucro.

Isso se chama ESPECULAÇÃO IMOBILIÁRIA!

Recentemente um supermercado queria se instalar no início da Av. Migrantes. Como sabemos, ali temos belos terrenos sem nenhuma aplicação: servem as vezes para usos esporádicos. O supermercado não se instalou pois assustou-se com o valor pedido pelo terreno pretendido. E assim outros exemplos poderíamos citar. Espero que um dia o prefeito Juvenil nos conte a dificuldade de negociação que ele enfrentou para garantir a vinda da SIL para Salto.

Uma pena! A ganância sendo barreira para o desenvolvimento acelerado que poderíamos ter.

Mas somos insistentes e continuaremos nessa batalha para ampliar o leque de investimentos na cidade. Com uma média de mais de uma empresa sendo anunciada por mês, a Secretária Eliana e o Prefeito Juvenil têm demonstrado a capacidade da prefeitura em negociar e a potencialidade de crescimento que nossa querida cidade tem. Poderia ser muito maior não fosse a ganância.

O que precisamos é encontrar mecanismos para contê-la. E o imposto progressivo para terrenos aprovado no novo Código Tributário Municipal tende a ser um desses mecanismos.

3 thoughts on “Perdemos a Mercedes!”

  1. uma pena os proprietários não terem o interesse do desenvolvimento econômico de nossa cidade, e nem analisarem o quanto isso representaria para os nossos munícipes, o quanto essa empresa iria contribuir para a qualidade de vida do nosso povo, sem contar o quanto as futuras gerações desses proprietários poderia serem beneficiados também.

    Mas parabéns a todos envolvidos temos certeza que essa será apenas o inicio de nossas lutas, tenho certeza que ao longo dos anos conseguiremos alcançar nossos objetivos propósitos enquanto propostas governo, coragem companheiros.

  2. Não é de hoje que nossa cidade vem sendo fatiada, retalhada com loteamentos, condomínios, etc. A especulação imobiliária praticamente é um monopólio, com isso as terras ganharam valor astronômico, agora pergunto, se as terras em questão fossem de propriedades do prefeito ou de algum secretário municipal, quem venderia a preço de R$ 5,00 m/2 pensando no bem estar da cidade? acho que ninguém !!
    att. Dimas

    1. Pois é, meu caro Dimas….os especuladores são tão auto suficientes que jamais se sujeitariam a trabalhar pela cidade como fazem alguns, como prefeitos e secretários, ao longo da história. Em alguns momentos dela o que tivemos foram prefeitos e secretários favorecendo a especulação a partir de facilitações e benesses inexplicáveis. E não projete em todos o que você pensa da vida….rs….

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *