Jornal Novo Contexto é lançado em Itu

Do Jornal Novo Contexto

Lançamento do jornal Novo Contexto. Da esquerda para a direita: Jean Pluvinage (jornalista responsável), Paulo Stucchi (diretor de redação), Nelson Salva (diretor comercial) e Fábio Augusto de Oliveira e Silva (diretor administrativo). Foto: Carol Rivieri.

O jornal Novo Contexto foi oficialmente lançado na cidade de Itu em um evento no auditório do Sincomércio-itu, às 8h30 do dia 13 de agosto, com a presença da equipe de diretores do jornal, do conselho editorial, de membros do poder público da cidade de Itu, incluindo a deputada estadual Rita Passos, e de Salto, incluindo os secretários Wilson Caveden (Finanças) e Marcos Pardim (Cultura), e diversos membros da sociedade civil.

No evento, Nelson Salva, diretor comercial do jornal, agradeceu a presença de todos e mostrou em detalhes o jornal Novo Contexto e seu projeto editorial e gráfico.

Nelson Salva também apresentou os outros membros da equipe de diretores: Jean-Frédéric Pluvinage (jornalista responsável e diagramador), Paulo Stucchi (diretor de redação) e Fábio Augusto de Oliveira e Silva (diretor administrativo). Os membros da diretoria apresentaram em seguida as jornalistas da equipe de redação: Bárbara Fcamidu, Carol Rivieri, Josevane Victor e Tatiana Saggion. Toda a equipe também parabenizou Ednei Fernando, diretor da EF Publicidades, e Gisela Bardelli, representante comercial, pelo trabalho efetuado com os anunciantes.

Nelson também apresentou, durante o evento, os membros do conselho editorial: Eng. Antonio Gatti, Ditinha Schanoski, Getúlio Schanoski, Pró-Reitora Maria Angela Pimentel Mangeon Elias, Maria Luísa Andraus Cucick, Maria Sofia Vidigal Pacheco, Marília Coelho Chierighini, Ricardo Pacheco e Wilson Pelinson. Demais integrantes do conselho, que não puderam comparecer por motivos profissionais, foram mencionados, como o Prof. Edson Cortez, Renato Villin Prado e Prof. Dr. Luís Nunes Neto.

Novas ideias, novos conceitos

Durante a apresentação, Nelson destacou que o jornal Novo Contexto é lançado na cidade de Itu para oferecer aos leitores uma nova plataforma de comunicação repleta de análises críticas sobre o cotidiano, a política, a cultura, os esportes e os fatos mais importantes e debatidos pela população.

O jornal impresso, distribuído para a população ituana a partir de 14 de agosto, é semanal (todas às sextas), gratuito tamanho standard e totalmente colorido. Conta também com plataforma digital que inclui website e redes sociais (Facebook, Twitter, Instagram, Pinterest,Youtube, Google Plus), além de um acervo digital para pesquisar todas as edições impressas ao longo de sua história.

O jornal impresso Novo Contexto terá também um encarte de classificados, o Invista News, na qual será possível inserir gratuitamente classificados compostos de título mais duas linhas.

Prefeitura de Salto realiza oficina de fotografia com pessoas em situação de rua

Da Prefeitura de Salto

Prefeitura de Salto realiza oficina de fotografia com pessoas em situação de rua

Resultado desse trabalho será apresentado a um Projeto UNESCO e em seguida ocorrerá uma exposição fotográfica num local público na cidade

Na manhã do dia 4 de agosto, foi realizada pela Prefeitura da Estância Turística de Salto em parceria com o projeto de Oficinas Culturais do Estado de São Paulo Grande Otelo, a oficina de fotografia “Reminiscências: imagens do meu lugar”, a qual teve participação de pessoas em situação de rua assistidos pelo CREAS (Centro de Referência Especializado de Assistência Social).

Acompanhados pelo representante da Grande Otelo, Paulo Aranha, pelo monitor cultural Almir Monteiro, e pelos profissionais do CREAS Amauri Cezar de Oliveira e Maria Isabel Araújo dos Santos, os participantes fotografaram tudo o que achavam interessante como portas, janelas, sombras e locais onde costumam ficar.

Segundo os representantes do CREAS, outros passeios deverão ser realizados: “Após a avaliação com os participantes pretendemos realizar outros passeios fotográficos nos pontos turísticos do município, pois observamos o interesse deles em nos mostrar espaços que costumam ficar, que se encontraram com outros companheiros, espaços onde cotidianamente vivem, onde suas histórias são construídas e desconstruídas, espaço que para cada um tem um significado especial que para o restante da sociedade saltense não passa de um espaço de circulação pública”.

O resultado desse trabalho será apresentado a um Projeto UNESCO e em seguida ocorrerá uma exposição fotográfica num local público na cidade a ser determinado.

A secretária municipal de Ação Social e Cidadania, Lucilia Barbosa de Jesus, relatou que o objetivo da ação foi proporcionar a inserção social desse público em parceria com atividades da Secretaria Municipal de Cultura, visando despertar desejos, anseios, retomada de autoconfiança e um processo de (re)construção de novos projetos de vida. Esta atividade integra um projeto inédito das secretarias de Cultura e Ação Social, que visa a integração à cultura e a recuperação da memória dessas pessoas com colhimento de depoimentos e reconstrução de identidade.

Segundo Paulo Aranha, da Grande Otelo, a oficina é uma realização de um sonho pessoal: “Sonhava sempre em realizar este trabalho com as pessoas em situação de rua e aconteceu juntamente da Secretaria de Cultura de Salto. Importantíssimo esta realização social, muitos deles observam diferente os espaços urbanos onde vivem no dia a dia.  Tem uma frase do fotógrafo Sebastião Salgado, que ele diz: `’A fotografia não é feita pelo fotógrafo´’. Espero dar continuidade com este projeto com parceria da Prefeitura de Salto. Todavia, com a realização de uma exposição na rua. Fiquei emocionado pela oportunidade na realização deste projeto”.

O secretário municipal de Cultura, Marcos Pardim, também falou da parceria: “A Secretaria de Cultura, tão logo recebeu a proposta da Oficina de Fotografia por parte da Grande Otelo, sugeriu que ela fosse realizada com pessoas em situação de rua. O objetivo, além de proporcionar esta experiência artística a eles, é também trabalhar com o conceito de que a arte é, sim, estética, mas pode (e deve) ser igualmente ética; é, sim, criatividade, mas pode (e deve) ser igualmente alteridade. Ficamos felizes em poder ter realizado esta oficina e esperamos repetir outras, inclusive com outras linguagens artísticas”.

 

Em Salto, Sala Giuseppe Verdi sedia “Semana Jamais Esqueceremos”

Da Prefeitura de Salto

Evento é coordenado pelo Museu Cidade de Salto “Ettore Liberalesso”. Entrada gratuita

Em Salto, Sala Giuseppe Verdi sedia “Semana Jamais Esqueceremos”

A Sala Giuseppe Verdi, localizada na Rua José Galvão – 104, na Estância Turística de Salto, sedia neste sábado, dia 15, e de 17 a 21 de agosto, a 2ª “Semana Jamais Esqueceremos – Reflexões sobre o golpe civil-militar de 1964”.

Promovida pela Prefeitura da Estância Turística de Salto com coordenação do Museu Cidade de Salto “Ettore Liberalesso”, a semana terá diversas atividades como palestras, debates, oficina e exibição do documentário.

A programação completa será:

· Dia 15, das 10h às 12h – Oficina de Memória II – Experiências sobre o período ditatorial na região de Salto. A atividade pretende reunir pesquisadores e representantes de instituições de cidades da região para discutir sobre as experiências do período ditatorial e dos lugares de memória, com o objetivo de ampliar o tema para outros grupos;

· Dia 17, às 19h – Exibição do documentário “Temporada de Caça”, da Eora Filmes. Debate com o diretor Rodrigo Lara, aluno do curso de Cinema do Ceunsp;

· Dia 18, às 19h – Palestra com Daniel Lopes. Tema: “A estruturação e o trabalho da Comissão da Verdade de Sorocaba”;

· Dia 19, às 19h – Debate com João Roberto Laque sobre “A luta armada urbana e a trajetória de Pedro Lobo de Oliveira”;

· Dia 20, às 19h30 – Palestra com Kátia Felipini Neves sobre “A formação e a atuação do Memorial da Resistência de São Paulo”;

· Dia 21, às 19h – Debate com a profa. Dra. Maria Aparecida sobre “A censura durante o regime ditatorial brasileiro”;

Inscrições – Para participar, escolas e estudantes interessados poderão se inscrever gratuitamente pelo e-mailmuseu@salto.sp.gov.br

A fênix nativa

Por Mino Carta

Se o golpe não convém, ressuscite-se a conciliação

Com K ou sem K, a palavra caos se oferece a diversas interpretações. Em 1964, havia quem acreditasse que o golpe de Estado salvaria a pátria ao sustar o caos no nascedouro.Passados 51 anos, não falta quem entenda que do golpe nasceria o caos.

Cinquenta e um anos atrás, e mesmo desde agosto de 1961 com a renúncia de Jânio Quadros, a casa-grande deu para sentir-se ameaçada por Jango Goulart, o vice alçado à Presidência. O mundo era outro, dividido ao meio entre dois impérios, beligerantes de uma guerra dita fria. Os graúdos nativos apreciavam a condição de súditos do império do Oeste, o qual padecia, porém, de uma espinha no flanco, fincada bem ali a 100 quilômetros da Flórida, Cuba fidelista.

Jango ostentava um passado buliçoso, a começar pela origem getulista, e a prosseguir pela valente militância petebista, sem exclusão da perigosa proximidade com o cunhado Leonel Brizola. Só faltava chamar San Tiago Dantas para a Chancelaria. Implorada pela casa-grande e seus porta-vozes midiáticos, sustentada por Washington, a intervenção militar se deu sem derramar uma única, escassa gota de sangue nas calçadas. Falsos pretextos fazem parte do jogo.

O golpe de 64 é uma das grandes desgraças brasileiras, a mais recente. Interrompeu um processo natural que, ao longo dos anos, décadas talvez, demoliria a casa-grande e a senzala. Sofremos até hoje suas consequências.

Em relação à situação atual, gravemente turvada pelo descontrole parlamentar, pelo fracasso petista, pelo reacionarismo tucano, pelo terrorismo da mídia em meio a uma profunda crise econômica provocada tanto pela fé neoliberal que assola a Terra quanto por erros governistas, a posição de CartaCapital já foi exposta inúmeras vezes. Entendemos como golpismo puro qualquer propósito de impeachment ou de convocação de novas eleições.

fênix-editorial-mino-carta
Vivemos a enésima versão, revisada e corrigida, da conciliação das elites velhas de guerra, fênix nativa.

Poderia causar estranheza o fato de cidadãos graúdos, federações empresariais, dois jornalões e as próprias Organizações Globo se pronunciarem publicamente contra qualquer tentativa de apear Dilma Rousseff. Se bem entendemos editoriais, manifestos e entrevistas, desta feita a sanha golpista, caso satisfeita, precipitaria o caos, que agora é obrigatório evitar. Mudaram de ideia, e não me queixo. Até ontem os barões da mídia trombeteavam as manobras e, em geral, as manifestações anti-Dilma, e eis que aderem ao senso comum.

Por que, pergunto intrigado aos meus pensativos botões. Respondem que o mundo também mudou, o maniqueísmo dos anos 60 assumiu formas e cenários adequados a alterações fatais. Ao observar a conjuntura mundial, constata-se que o Brasil deixou de ser aquele súdito submisso de Tio Sam graças à política exterior praticada por Lula, ainda que Dilma tenha baixado um tanto a bola. Vale também registrar que o velho Sam perdeu muito do vigor de antanho. E, de resto, o Demônio hoje em dia não é o comunista. Além disso, as Forças Armadas, conquanto incutam um inextinguível temor como númeno, deixaram de ser, como fenômeno, um exército de ocupação pronto ao papel de jagunço da casa-grande.

É o pano de fundo. Na ribalta, a “guerrilheira” Dilma não é Jango, e seu governo oferta à casa-grande garantias suficientes para pôr em sossego seus inquilinos. Não é por acaso que o diligente bancário Joaquim Levy lá está para executar a lição da própria. Por que intervir, se a vivenda dos especuladores e dos rentistas está em ordem? E, de outro ângulo, por que enfrentar a incógnita do pós-Dilma, se por ora o governo acuado se dispõe a levar em conta, e se possível executar, um pacote de providências excogitadas pelo Senado, reduto, aliás, de numerosos oligarcas?

Melhor assim. Melhor que a tensão diminua e que o pior seja evitado. Nada impede que paneleiros incapacitados para o exercício do espírito crítico, e mesmo para a consciência da cidadania, renovem no domingo 16 seu protesto insensato. Pouco importa, prevalecerá a tendência desenhada pelos graúdos, tão escassamente preocupados com a fragilidade da democracia verde-amarela, mas sobremaneira com sua própria paz espiritual e material.

Na circunstância, melhor assim, repito. Nem por isso perco a oportunidade de assinalar: casa-grande e senzala continuam de pé. Vivemos a enésima versão, revisada e corrigida, da conciliação das elites velhas de guerra, fênix nativa. Percebo que neste momento mexe as asas debaixo das cinzas.

Prefeitura de Salto e Ceunsp oferecem 260 vagas em oficinas culturais

Da Prefeitura de Salto

Prefeitura de Salto e Ceunsp oferecem 260 vagas emoficinas culturais

Todas as oficinas serão promovidas das 15 às 17 horas; poderão participar maiores de 14 anos

A Prefeitura da Estância Turística de Salto em parceria com o CEUNSP (Centro Universitário Nossa Senhora do Patrocínio) oferece a partir do dia 19 de agosto, na Casa da Cultura (Praça Antonio Vieira Tavares, 36), 260 vagas em 13 oficinas culturais gratuitas.

A parceria concretizada entre a Secretaria Municipal de Cultura e a FCAD (Faculdade de Comunicação, Artes e Designer) do Ceunsp contará com aulas que serão ministradas, por alunos da Faculdade, orientados por professores dos cursos.

As oficinas terão até 20 alunos por turmas e tem início no dia 19 de agosto, quarta-feira e vão até 13 de novembro, sendo um tema por encontro.

Em coletiva promovida na manhã da última quarta-feira, dia 5 de agosto, no saguão da Sala Palma de Ouro da Estância Turística de Salto, ocasião em que foi anunciado o projeto conjunto, o prefeito Juvenil Cirelli agradeceu ao coordenador da FCAD Edson Cortez pela parceria com a referida instituição de ensino.

“Esta nova parceria reforça aquilo que acreditamos: que ninguém faz nada sozinho! Ela permitirá que a população participe de oficinas de nas áreas de Moda, Teatro, Fotografia e Artes Visuais, Música, Rádio e TV, Eventos e Jornalismo. Mais uma vez, a população ganha com uma parceria viabilizada pelo Poder Público”, destaca o Prefeito Juvenil.

Representando a Secretaria Municipal de Cultura, o secretário Marcos Pardim, disse estar muito feliz pela promoção das oficinas: “A FCAD é um centro irradiador de cultura da cidade que não pode e não deve ficar circunscrito somente às paredes da faculdade. Parceria deste tipo legitimam o discurso de que Cultura e Educação devem andar juntas. Algumas outras ações deste tipo, como o Anselminhos, Pagadores de Promessas e o Prumos (dois projetos de parceria que ganharam prêmios do Ministério da Cultura), demonstram que elas precisam ser potencializadas. É isto que estamos tentando fazer, e a coordenação da FCAD tem sido bastante receptiva. O fato de as oficinas serem ministradas por alunos também é positivo, pois estimula a alteridade e exercita o compartilhamento do aprendizado. A Secretaria de Cultura está feliz com a possibilidade de poder oferecer estas oficinas”.

Cortez, em sua fala, agradeceu a possibilidade de trabalhar junto ao poder público: “Estou muito feliz pela oportunidade e também por poder através desta parceria a possibilidade de muitas pessoas poderem participar deste grupo de formação. Acredito que o conhecimento não deva estar no circunscrito da faculdade, tem que se expandir, e é através de parcerias com o poder municipal, que se possa levar de forma mais acessível possível, gratuita”.

Programação – O cronogramadas oficinas será o seguinte:

• 19 de agosto – Teatro: “Desenvolvendo Artistas, Oficina de Linguagem Corporal”;
• 20 de agosto – Moda: “Apresentação e Desenvolvimento de Looks”;
• 26 de agosto – Música: “Instrumentos Musicais com Materiais Reciclados”;
• 27 de agosto – Fotografia e Artes Visuais: “Como produzir uma foto”;
• 31 de agosto – Rádio e TV: “O mercado de Rádio e TV no Brasil”;
• 11 de setembro – Moda: “Modelagem”;
• 14 de setembro – Rádio e TV: “Rádio e TV na Prática”;
• 18 de setembro – Teatro: “Desenvolvimento de Figurino”;
• 22 de setembro – Fotografia e Artes Visuais: “Fotos de Casamento como Arte”;
• 23 de setembro – Música: “Introdução às Práticas Musicais”;
• 5 de outubro – Jornalismo: “Jornalismo Policial”;
• 19 de outubro – Eventos: “O Novo Mercado de Eventos”;
• 13 de novembro – Jornalismo: “Jornalismo Internacional”.

Inscrições – Para inscrever-se os interessados deverão se dirigir à Casa da Cultura (Praça Antonio Vieira Tavares, 36) e procurar por Fátima ou Natália. Mais informações podem ser obtidas pelo telefone (11) 4021-4482.