Novo visual

Olá, a todas e todos que acompanharam e ainda de vez em quando entram por aqui.

Estou preparando um novo visual do site onde tentarei manter os espaços de discussão aliado à dinâmica que uso em meu blog, de postar notícias importantes e que não são muito divulgadas nos meios de comunicação.

Espero poder contar com a participação de todos e de todas nessa nova experiência e nesse novo momento que estamos prestes a viver em nossa cidade.

Abraços a todos e todas!!!

Eleições 2012 – Respostas e Concretizações

Tivemos no último domingo eleições municipais em todo o país. Em Salto uma data que terá espaço especial na nossa história. Pelo menos para aqueles que defendem uma democracia direta e participativa e acreditam que é possível fazer da política um espaço onde a ética e a transparência predominem.

 

A vitória de JUVENIL e JUSSARA não foi somente uma vitória. Ela, além de ter sido uma resposta contundente à quebra de compromissos ocorrida em janeiro de 2012, é o coroamento de um longo processo de lutas, derrotas e conquistas, daqueles que defendem o Partido dos Trabalhadores em nossa cidade desde sua fundação. Enganam-se aqueles que querem emprestar a essa vitória a superficialidade de uma resposta a um grupo que tentou se apoderar da prefeitura a qualquer custo. Evidente que também foi, mas muito mais que isso foi o coroamento de uma trajetória que tem um objetivo muito claro: a democracia representativa sendo exercitada na prefeitura.

 

Foram décadas de buscas e tentativas, desde a candidatura do companheiro Merlin em 1982 até esse momento. Juvenil vem de uma experiência única que agregou vários companheiros e militantes nessa magnífica história. Eleito vereador em 1988 e em 1992, passa a ser a referência do partido a partir de então, quando disputa duas eleições para prefeito: a de 1996 e a de 2000, chegando à última a uma expressiva votação. Na busca pela conquista do poder para transformar esse poder em serviço para a comunidade, o grupo negocia em 2003 uma grande aliança, que projeta o longo prazo da política saltense: pelo menos 20 anos para melhorar as condições da cidade e de seu povo. Esse foi o compromisso personificado primeiramente em Geraldo prefeito, depois Juvenil na sequência.

 

Indiscutível os resultados do governo Geraldo/Juvenil em pelo menos seis dos seus oito anos. Tão indiscutível que ainda as pesquisas de opinião colocam o governo em um patamar de aprovação altíssimo. Tudo caminhava para que o projeto traçado em 2003, resultado de uma longa caminhada iniciada em 1982, tivesse continuidade e a cada ano fosse mais certeza em nosso meio. Entretanto a ambição humana é incapaz de se sujeitar a projetos de longo prazo. E num repente inesperado para a opinião pública, a aliança é desfeita em janeiro de 2012, de forma abrupta e unilateral.

 

Mas o projeto daqueles que romperam teve pouca substância, pouco alicerce. Aliás, a história nos mostrará ainda o que motivou tamanho erro político por parte de nosso atual prefeito. Terá sido simples ambição pessoal? Terá sido uma tentativa de fortalecer alguns partidos que compuseram com ele? Terão sido “fatores externos”? Se foram “fatores externos” de quais dimensões? Enfim, ainda muito se falará e se descobrirá a esse respeito.

 

O que os rompedores não contavam era com a paciência histórica e a perseverança dos expulsos. Desde 2010 o PT vinha trabalhando para constituir uma base sólida de apoio e de sustentabilidade para a futura campanha com Juvenil candidato. O rompimento sempre foi uma possibilidade analisada e discutida no grupo, que sempre teve o posicionamento de nunca ser o provocador dele e de sempre defender o governo enquanto nele estivesse. Imaginávamos vários cenários, com os dois extremos: a continuidade tranquila da aliança e o rompimento provocado pelos outros grupos. Entretanto de 2011 para cá, ficava cada vez mais evidente a dificuldade em se manter a aliança. O que sempre foi negociado deixou de ser. O que fazia parte de uma convivência tranquila passou a ser motivo de grandes discussões e travamentos. A transparência até então existente deixou de acontecer. Ou seja, alguma coisa antes das eleições aconteceria. O que imaginávamos é que fosse algo negociado, conversado e sem rusgas. Ledo engano.

 

A partir do chamado “racha”, a campanha foi colocada na rua, e estávamos preparados para ela. Os passos dados durante a campanha toda sempre tiveram muitas reflexões e ponderações antes de serem decididos. As pesquisas foram nossas orientadoras para os movimentos futuros. A escolha de Jussara como vice-prefeita talvez seja o maior dos exemplos dessa reflexão em cima de dados e de análises. Acertamos em cheio.

 

A cada pesquisa observávamos um crescimento consistente de JUVENIL e JUSSARA, a queda da candidatura Ângelo e a estagnação da candidatura Gilmar, apesar de todo o esforço do atual prefeito em apoiá-la, calcado em sua grande aprovação. E seguíamos nosso caminho com o propósito de manter acesos os princípios e objetivos defendidos de há muito tempo.

 

A vitória foi escandalosamente maravilhosa. 60% dos votos não é só uma vitória. É uma Vitória com letra maiúscula. É uma vitória que consolidou um projeto e um caminho para a cidade. Nos últimos dias de campanha, como em todas elas, as apelações foram enormes. A principal delas foi a tentativa de ligar Juvenil e o PT local aos “escândalos do mensalão”, atualmente em julgamento no STF. Mas como em todo o Brasil, aqui em Salto também isso não “colou”. As maiores provas são: o resultado em Osasco, onde o PT ganhou no primeiro turno, apesar de lá ser a cidade onde João Paulo Cunha (condenado pelo STF) era o candidato; a votação do PT no Brasil todo foi maior que de todos os partidos. Veja aqui e aqui.

 

OS NÚMEROS

 

Várias são as análises que podem ser feitas dos números expressos nas eleições de 07 de outubro. A primeira delas, certamente, é que o dinheiro somente não vence eleições. A segunda é que por mais bem aprovado que seja um político (no caso nosso prefeito), a máxima de se “eleger poste” não é mais verdadeira. Gilmar infelizmente não tem os requisitos da grandeza exigida pela população para um bom governo, como construído pela aliança de 2003. As vitórias tem que ser construídas historicamente, de forma consistente e permanente. Não são rompantes de egoísmos e orgulhos que mudam a expectativa das pessoas.

 

Algumas outras observações importantes nos números:

 

A coligação PT/PTN foi a mais votada da cidade. Teve 13.159 votos e elegeu cinco vereadores. A segunda coligação mais votada foi a do PRB/PSC, que apoiava JUVENIL e JUSSARA, que teve 7.737 votos e elegeu dois vereadores.

 

Das coligações todas para vereadores, as que apoiavam JUVENIL e JUSSARA, tiveram 26.889 votos (43,91%) e elegeram oito vereadores. Das que apoiavam Gilmar, tiveram 27.341 votos (44,64%) e elegeram oito vereadores. Das do Ângelo, 6.503 votos (10,62%) e elegeram um vereador. A maior curiosidade aqui é a disparidade entre votos nos vereadores e votos nos prefeitos. JUVENIL e JUSSARA tiveram 36.282 votos e Gilmar 13.806. A quantidade de eleitores para vereadores que não votaram no prefeito apoiado por eles foi muito grande.

 

Dos partidos, o PT novamente estourou em votos em relação aos demais. Teve 12.596 votos (20,57%). O segundo mais votado foi o PP que teve 5.707 votos (9,32%). Uma diferença assustadora. A grande surpresa ficou por conta do terceiro colocado: o PRB, com 5.238 votos (8,55%). O PT elegeu cinco vereadores e teve 2.054 votos de legenda. O PMDB ficou só em quarto lugar, com 3.905 votos (6,38%).

 

Outra curiosidade: votaram mais eleitores nas eleições proporcionais (61.241) que nas eleições majoritárias (60.623). A abstenção esteve na média nacional: 15,87% ou 12.140 eleitores não foram votar.

 

Vários candidatos a vereadores tiveram mais votos que alguns eleitos, porém não entraram por conta da proporcionalidade. São eles: Luizão (PSB), Xandão (PRB), Jades (PSDB), Simão (PSDB), Javiel (PSC), Lamana e Cícero Landim (PT) e Tavares (PP).

 

Dos atuais vereadores, quatro foram reeleitos: Lafaiete, Garotinho, João Ramalho e Eliano. Os três que ficaram de fora foram: Luizão, Álvaro Pacheco e Araldo Pacheco. Os demais não se candidataram.

 

Dos eleitos, já foram vereadores: Natalino, Preto, Willhes, Dra. Rosana e João Bispo. Estão pela primeira vez: Cordeiro, Edmilson, Kiel, Guina, Lampião, Luzia Vidal, Zezinho Cabeleireiro e Lobinho.

 

Esses dois últimos parágrafos nos da à conclusão de que apesar do aumento grande de cadeiras, a renovação não foi tão grande como esperado por boa parte da população. Dos onze atuais, sete disputaram a reeleição e quatro a conseguiram.

 

Outras inúmeras análises podem ser produzidas a partir dos resultados. O que mais importa nesse momento é dizer que o projeto do PT foi consolidado na cidade, tanto na votação para prefeito como na votação para vereadores. Além disso, consolida-se um caminhar de 30 anos, iniciado em 1982 com o PT em Salto. Desta vez teremos a oportunidade de exercitar o que pregamos por todos esses anos, juntos com a população.

 

O embate legislativo será ferrenho. Entretanto o que mais o PT sabe fazer é a boa negociação, sem amarras, sem ameaças e sem compadrios. Negociações pelo bem da cidade. E isso faremos incansavelmente.

 

Parabéns a todos e todas pela boa VITÓRIA!!!

 

 

 

 

 

Votação

Queria agradecer a todos e todas que confiaram seu voto em minha candidatura!

Foram 355 votos alcançados, que me enchem  de alegria e motivação. O fato de não ter entrado na Câmara Municipal é uma simples consequência. Além de me encherem de alegria, os 355 votos contribuíram para que nosso partido fizesse a maior bancada na Câmara Municipal: cinco vereadores eleitos. Os demais partidos ou elegeram dois ou somente um. Novamente o PT faz história em Salto e atinge seu maior número de vereadores em toda a história local. Quem votou em mim, contribuiu com essa história.

Parabéns aos cinco eleitos: Willhes, Garotinho, Cordeiro, Luzia e Lobinho que juntos com os outros três da coligação de JUVENIL e JUSSARA defenderão nossas ideias e ideais na Câmara Municipal.

Amanhã escreverei um artigo detalhado sobre os resultados e perspectivas deixadas pela eleição de domingo.

Últimos dias de campanha

Estamos a três dias das eleições.

 

Propostas colocadas, estratégias chegando ao final e os eleitores se preparando para a decisão, que é soberana.

 

Aqui em nossa cidade, todas as pesquisas dão vitória para JUVENIL e JUSSARA – 13 – com ampla vantagem sobre o segundo colocado. A soma dos dois adversários fica quase 15 pontos abaixo do percentual de JUVENIL e JUSSARA – 13.

A eleição para vereador, como sempre, é definida no dia das eleições. Inúmeras pessoas decidirão seu voto para a Câmara Municipal no domingo. Algumas até no caminho da escola. Portanto, estes três dias que faltam para as eleições são decisivos para os futuros vereadores.

Existe no ar um sentimento de renovação grande na Câmara Municipal. Todavia o fato do voto de vereador ser muito diluído coloca dúvida até nisso.

De minha parte creio ter feito aquilo que me comprometi a fazer: dizer às pessoas que sou candidato. O convencimento vem acontecendo, ou não, por aquilo que as pessoas conhecem de meu trabalho e de minhas potencialidades.

Quero agradecer as inúmeras manifestações de apoio e declaração de votos que tenho recebido. Espero, se eleito, poder retribuir todo o carinho e confiança recebidos durante a campanha. Sim, porque todos os votos que conseguir serão votos conquistados a partir da ajuda e divulgação de muitas pessoas amigas e queridas. Se ganharei ou não, saberemos no domingo. Mas já me dou por satisfeito e agradecido pela gama enorme de amigos que se colocaram ao meu lado. Serei sempre grato a cada um e a cada uma independente se eleito ou não.

Os resultados do domingo nos colocarão certamente em uma nova fase do fazer política em nossa cidade. A enorme possibilidade de JUVENIL e JUSSARA – 13 – ganharem as eleições do executivo, nos dão a certeza de que muito trabalho teremos pela frente. A garantia da transparência, da participação popular e da inversão de prioridades, colocando as pessoas em primeiro lugar, será consagrada no domingo. E isso nos remete a uma série de ações necessárias e diferentes. Remete-nos a ter mais voz e vez na administração municipal. Remete-nos a participar maciçamente de todos os canais populares que serão abertos. Remete-nos, enfim, a efetivamente colocarmos NOSSA GENTE EM PRIMEIRO LUGAR.

Vamos a luta, sempre!!!