A reta final

Estamos a 12 dias das eleições municipais. Daqui doze dias os destinos de nossa cidade serão definidos para mais quatro anos. Desnecessário dizer aqui da importância desse momento para cada cidadão e cidadã de nossa cidade.

Para a escolha de prefeito, aparentemente a população já tem uma tendência. A se confirmar a enquete do Jornal Taperá publicada no último final de semana, JUVENIL e JUSSARA – 13 – deverão ser os vitoriosos com larga vantagem sobre os outros dois candidatos. Temos essa tendência muito clara também nas pesquisas internas realizada pela coligação. O importante nestes últimos dias é manter a campanha, ampliando seu visual e participação nas ruas e prevenir-se para possíveis ataques e invencionices que possam surgir de última hora. Nesse último caso, a necessidade é de vigilância constante, já que a criatividade não tem limites. Todavia as últimas eleições tem mostrado que a população não cai mais nesse tipo de artifício. Sempre que alguém usa de subterfúgios escusos e/ou mentirosos, a reação da população tem sido de negar seus objetivos. Esperemos.

No caso de vereadores, nada está definido. Aliás essa é a eleição que se define no dia dos votos. Até o último momento existirão eleitores que não estarão definidos para qual candidato votar. Por isso estes últimos dias são decisivos na campanha para vereador. As caminhadas, visitas, materiais entregues e os apoios podem definir o voto daqueles que ainda não se decidiram.

De minha parte, continuo atuando no sentido de lembrar as pessoas que sou candidato, já que minha candidatura foi definida às vésperas das convenções. Minha história muita gente já conhece. O que posso e pretendo fazer estão definidos e registrados. Só resta mesmo continuar nesse caminho, aguardando os votos no dia 7 de outubro.

Das possibilidades e cenários pós 7 de outubro, ainda acho prematuro registrar. Todavia, os comentários e apostas são as mais diversas. Reza a prudência que nos aquietemos quanto a isso, aguardando o final das apurações.

Algo que me deixou bastante entristecido foi o fato de que a apuração poderá ser feita no Cartório Eleitoral, um espaço minúsculo e que impossibilita qualquer participação popular no seu acompanhamento. Como disse, as leis estão cada vez mais deixando a eleição chata e sem atrativos. Uma das coisas mais emocionantes que vivi (por várias vezes) foi acompanhar minuto a minuto a apuração no nosso ginásio de esportes que, dependendo da eleição, ficava repleto de gente torcendo para aquilo que acreditava e havia trabalhado. Caso se confirme essa possibilidade é mais uma grande perda e um grande golpe na festa da democracia que são as eleições. Espero que os responsáveis por isso revejam tal posição.